Avançar para o conteúdo principal

amor e uma máquina de lavar roupa (ou o fim do amor e uma cabana)




hoje, em conversa com uma amiga, cheguei mais uma vez à triste conclusão de que todas as relações amorosas, as boas e as más, e mesmo as mais ou menos, têm em si algo de terrível, que é o seu fim.

mesmo as más, quando terminam, são sempre o fim de um qualquer projecto comum que não resultou e que trazem por isso sentimentos de culpa, fracasso e tristeza.

lembrei-me também da importância de um casal que coabita lavar a roupa na mesma máquina de lavar, como se a máquina fosse o lugar onde os dois (ou os três ou quatro) se misturam, sujos, e se purificam, em conjunto. por isso sempre que havia tensões a dois, a roupa dele era posta de lado, enfiada num saco e enviada para a mãe.

não quero misturas. a tua roupa suja és tu e eu não quero misturá-la comigo, na máquina da purificação.

um dia, ele fartou-se de não lavar roupa suja e saiu de casa, e ela ficou com saudades de ver as suas roupas misturadas e penduradas ao lado uma da outra a secar. e então só conseguia pensar no lugar onde, um dia, as suas peças e as dele estivessem penduradas ao sol lado a lado, depois de lavadas e misturadas e purificadas em conjunto.

aquela roupa lavada somos nós os dois - lavados, estendidos ao sol, juntos, prontos para um novo ciclo.

lavar a roupa suja é também trazer à superfície problemas antigos dos quais nunca se falou, e que por isso ficaram incrustados e custaram a sair e nunca saíram. nódoas e manchas que nem a máquina mais potente consegue fazer desaparecer. por isso ninguém gosta de ouvir falar em lavar roupa suja.

vamos lavar os nossos problemas, perguntou. vamos lavar roupa suja?

sim, vamos, respondeu. mas só se for na mesma máquina de lavar. a minha roupa e a tua, juntas.
(até ficarem outra vez sujas, e sejam logo logo lavadas em conjunto, para que tudo possa começar de novo, a tempo das nódoas não ficarem para sempre. para sempre, só mesmo roupa lavada e estendida ao sol, juntinha, lado a lado, amigas e companheiras, como nós)

parece-me muito bem - vamos sempre lavar a roupa a tempo de não se estragar.
uma vez tu, outra vez eu, para não fartar.

Campeã, 26 de Agosto de 2008.

Comentários

Que lindo! Adorei. É isso... vamos lavar a roupa suja sempre que for preciso, em casa e aos pequenos montes que é para o cesto não transbordar, que é para a nódoa não entranhar e para não ser preciso botar roupa nenhuma fora. De preferência, vamos lavar com alvejantes delicados que retirem a sujidade, mas mantenham as cores vivas ;)

Mensagens populares deste blogue

tragédia da vida vulgar

alliança amorosa #8



* adaptado de "Tragédias da Vida Vulgar", de Wenceslau Flores, 1930.

curriculum vitae

cur.rí.cu.lo

Ponto UM. Nome.CATARINA MIRANDA Basso Marques. [vulgar, nenhum apelido conhecido; Basso é giro, mas é só isso. Usei-o quando era fotógrafa em Macau, por alusão ao brilho/mate do papel fotográfico]
Ponto DOIS. Habilitações Académicas:2000. Licenciatura em História, variante História da Arte. Faculdade de Letras da Universidade do Porto.[um clássico, uma Faculdade pública e reconhecida. Daqueles cursos que para pouco servem para além de fazer investigação/trabalhar em Museus]2007. Mestrado em História da Arte. Classificação: Muito Bom. Instituição que conferiu o grau: Universidade do Porto. Faculdade: Faculdade de Letras. Título da tese: A retratística em Portugal e a introdução da daguerreotipia (1830-1845) [tese que versa, entre outros assuntos relacionados com a fotografia, sobre a sua introdução em Portugal. Poderia intitular-se assim: os primórdios da fotografia em Portugal: do retratista ao daguerreotipista. Interessante. Ou não. ] (em conclusão) Grau: Dou…

talha & fruta = delicious!

..., a photo by cochinilha on Flickr.
Existe em Braga uma capela que abre uma vez no ano, para celebrar o Dia de São Geraldo, padroeiro da cidade.


Junto à porta lateral da Sé, que dá para a rua do Souto, passando o Claustro de Santo Amaro, fica a capela de S. Geraldo, que neste dia se adorna de frutos, em alusão ao milagre da fruta.




( azulejos atribuídos ao pintor António de Oliveira Bernardes)

Júlia represente!

"Júlia Mendes foi uma rapariga talentosa que atravessou a scena portugueza com o brilho fugaz de um meteoro. Contam-se dela cousas espantosas, mas basta apenas uma referencia para se ver quanto era original a trefega rapariga. Uma vez, em Braga, á hora do espectáculo no Theatro S. Geraldo, Júlia Mendes entendeu que não devia representar. Interveio a policia e a actriz foi parar á presença da autoridade. De volta a Lisboa Júlia Mendes foi para logo assediada pelos repórters que desejam entrevistal-a. A um jornalista d' O Imparcial, disse ella: — O Galhardo perguntou-me aqui ha tempos se eu queria ir ao Brasil. Respondi-lhe logo: conforme “as condições”. — E quanto queres ganhar? — Um conto e oitocentos, passagens pagas e um beneficio. — Isso não ganha a Eéjane, disse o Galhardo, dou-te um conto de réis. — Não acceito, respondi. E por causa disso temos andado um pouco de candeias ás avessas. Mandou-me elle para o Porto. Fui. Ora, aconteceu que na noite em que se representava no…

dança do Rei David

Portugal da Saudade

Segundo esta cronologia a 6 de abril de 1933: inaugurou o estúdio da Tobis Portuguesa; e Joaquim dos Santos Lima produziu em Braga, e submeteu à Censura, o documentário Portugal da Saudade, inspirado pela “vinda da Rainha da Colónia Portuguesa no Brasil, Leopoldina Belo”. Meio ano depois, foi o filme aprovado pela Comissão de Censura Cinematográfica do Brasil.

Álbum de Braga

Em 1904 foi "editado pelos srs. Manoel Carneiro & Irmão, da antiga rua do Souto ... um interessante álbum de Braga, contendo 47 photogravuras dos melhores monumentos e vistas de Braga". O álbum, posto à venda por ocasião das festas jubilares do Sameiro, apresenta uma paginação curiosa: as fotografias cercadas a moldura a negro, e legendas indicativas a vermelho, são organizadas por proximidade geográfica, realçando-se detalhes importantes.


-->






Manoel Carneiro & Irmão instalaram-se na rua do Souto - que se chamou durante algum tempo rua Rodrigues de Carvalho - na casa que fora fundada por Bernardo Carneiro, em 1865. Era um estabelecimento de "vidros" e outros "pertences" para a casa, que vendia também artigos fotográficos e postais, os quais eram editados por Carneiro.




De algumas das imagens publicadas no álbum de Braga foram editados belos postais assinados por Manoel Carneiro. A fototeca do Museu Nogueira da Silva, em Braga, tem e…

sociedade de espectáculos recreativos

[O Teatro Circo de Braga e o Cinema S. Geraldo [antigo Salão Recreativo Bracarense] foram em tempos explorados pela mesma Sociedade]

récita no Salão