segunda-feira, 24 de agosto de 2015

(whenever blue teardrops are falling)


(uma cover quase tão boa como o original)



Hot 8 Brass Band
playing Sexual Healing (Marvin Gaye) 




baby, 
I'm hot just like an oven
I need some lovin'
And baby,
I can't hold it much longer
It's getting stronger and stronger



And when I get that feeling
I want sexual healing
Sexual healing, 
is good for me
Makes me feel so fine

Helps to relieve my mind
Sexual healing baby, is good for me
Sexual healing is something that's good for me

Whenever blue teardrops are fallin'
And my emotional stability is leaving me
There is something 
I can do

I can get on the telephone 
and 
call you up baby


honey 
I know you'll be there to relieve me
The love you give to me 
will free me

If you don't know the things you're dealing

Ohh I can tell you, darling, 
that it's sexual healing



Get up, get up, get up, get up
Let's make love tonight
Wake up, wake up, wake up, wake up
'Cause we do it right


[Heal me, my darling]

sexta-feira, 24 de julho de 2015

breves

Correio do Minho, n.º 9709 (24 jul. 2015), p. 3.

Correio do Minho, n.º 9709 (24 jul. 2015), p. 3.

O Theatro e a (re)organização urbana de Braga

Hoje, 24 de Julho (sexta-feira), pelas 15h
Pequeno Auditório do Theatro Circo
conferência integrada nas comemorações do Centenário do Theatro subordinada ao tema “O Theatro e a Cidade” com as seguintes intervenções:

·         Miguel Bandeira|O Theatro e a (re)organização urbana de Braga
·         Ana Maria Macedo| Sociedade Theatro Circo de Braga – os Fundadores
·         Albertino Gonçalves| A vitalidade cultural e a criatividade das cidades
·         Mário Caeiro| Reinventar a cidade através da arte



terça-feira, 21 de julho de 2015

ser anjinho






SER ANJINHO
Recolha de provas fotográficas de meninos e meninas que fizeram um dia parte da procissão de S. João. Digitalização das provas e recolha de testemunhos, para documentação do Arquivo Aliança.
local: Museu da Imagem
Praça Conde S. Joaquim, 35 (ao Arco da Porta Nova)
datas: 21 a 25 de julho de 2015
horário: 11 às 19h
Correio do Minho, n.º 9706 (21 jul. 2015), p. 11.


anjinhos da procissão

Correio do Minho, n.º 9706 (21 jul. 2015), p. 11.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

100 anos de teatro



21 de Julho (terça-feira), 18h
inauguração da exposição “O Theatro e a Cidade”, 
Salão Nobre

24 de Julho (sexta-feira), 15h
conferência subordinada ao mesmo tema que conta com os contributos de Miguel Bandeira, Ana Maria Macedo, Albertino Gonçalves e Mário Caeiro,
Pequeno Auditório.

terça-feira, 30 de junho de 2015

rapariga do primeiro

A um segundo de estacionar o carro, depois de uma rua limpa, ele pergunta a um carro que sai, então, onde é que é. Uma voz masculina responde da torre que é no quarto andar, mas o do carro disse que era uma rapariga no primeiro. Então, como é que é, pergunta, titubeante, com uma súbita mudança de tom de voz. Mais máscula, mais forte, mais pronúncia do Norte. E o passo apressa.
É a rapariga do primeiro. Anda, segue-me. Não ouve a conversa. O coração bate forte. Uma mão estendida para o tio. E gente à volta. Toma lá. Dá cá. Caneco, não há caneco. Ninguém tem um caneco por aí? Arranja-se já! E a moça, não quer? Não, obrigada. Uma simpatia de corpo que quase não é corpo, nem de homem, de mulher. Unhas pintadas de vermelho, pernas palito, pés inchados que arrastam o chinelo. Cabelos compridos. Resto de cara de... mulher? Então tio, é da boa, pergunta a rapariga do primeiro andar que subiu e desceu as escadas e que se pôs a espreitar para baixo. Não há cinza? Pera lá, vou acender um cigarro. Foda-se, amanhã trago prata para vender. Isso é que é negócio! E cinza! Entre uma, duas, três, quatro ou cinco pessoas que se arrastam a passo rápido à procura de mais, o cão peludo insiste nas pedras da calçada. Do que é que está à procura? É um rato, caralho! Foda-se o caralho do cão não larga os calhaus!
Uma para ti, uma para mim. Compra-se cinco, fuma-se duas, dá-se três. E uma moedinha. Deixa o tio, foda-se, oube lá! Num tenhe!


© Paulo Pimenta




















you can look at our bodies, but you can never see our spirits


© Nelson d'Aires













aleixar * afastar-se * distanciar-se