Avançar para o conteúdo principal

projectar convertidas

Convertidas, Novembro 2012.

O Recolhimento de Santa Maria Madalena e de São Gonçalo (XVIII), mais conhecido como Casa das Convertidas - classificado como Monumento de Interesse Público há um mês atrás - foi tema de debate da primeira iniciativa da associação Braga Mais. Centrado no destino a dar ao edifício, o debate contou a presença de Hugo Pires (vereador, pelouro de Gestão Urbanística e Renovação Urbana), de José Araújo (ex-governador civil), de Manuela Sá Fernandes (do Grupo Gonçalo Sampaio) e de Carlos Aguiar Gomes (da Associação Famílias), para além duma plateia de cidadãos anónimos e de figuras políticas de vários quadrantes. 

Espero que este tenha sido o primeiro de muitos, sobre o edifício, e que a solução para travar o seu desabamento não seja movida por outros interesses que não o da sua salvaguarda. A importância do edifício exige-o.

Para satisfazer a sua função original - a do recolhimento de mulheres arrependidas dos seus erros, e convertidas a Deus - o edifício foi concebido em torno de um pátio interior, para o qual estavam voltadas as celas e demais dependências. Um edifício voltado para dentro, de costas voltadas para a rua.

Fazendo perdurar a função social para o qual foi concebido, o edifício foi habitado até há cerca de 10 anos por mulheres idosas, carenciadas. O resto da história já se sabe. Discute-se agora o fim para o qual deverá o edifício ser convertido. Confesso que tenho muito medo do que venha aí (medo, principalmente, dos incêndios).

A tipologia do edifício permite que aí se instalem equipamentos de cariz social, como um lar, sim senhor, mas não serviços técnicos administrativos ou mesmo um museu "qualquer" - seja da história da cidade, da cultura imaterial ou do folclore.
Poderá funcionar como pousada, se e apenas se, a reabilitação do edifício se fizer de acordo com os princípios que tutelam a conservação e restauro dos bens móveis e imóveis: o respeito pelo original, a intervenção mínima, a compatibilidade de materiais e o da reversibilidade.
(e não digam que 5 metros quadrados não chegam para pernoitar)

Não faltam em Portugal exemplos bem sucedidos duma intervenção deste tipo (de que o Mosteiro de Tibães será apenas um dos casos) que permitiriam aqui manter a sua função de cariz social (recolhimento) e religiosa (capela), assim como preservar a história da memória da intimidade feminina.

Consultem-se os investigadores da história da cidade (e das mulheres) e os peritos da conservação do património, peça-se autorização para consolidar estruturas para que o edifício não esmoreça, devolva-se a vida à capela (entregue-se a capela à Igreja!), ouçam-se os cidadãos.
Solicite-se ao MAI a tutela do edifício, não sem antes garantir condições para cuidar desta pérola preciosa.

Convertidas, planta do 2.º piso.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

tragédia da vida vulgar

alliança amorosa #8



* adaptado de "Tragédias da Vida Vulgar", de Wenceslau Flores, 1930.

curriculum vitae

cur.rí.cu.lo

Ponto UM. Nome.CATARINA MIRANDA Basso Marques. [vulgar, nenhum apelido conhecido; Basso é giro, mas é só isso. Usei-o quando era fotógrafa em Macau, por alusão ao brilho/mate do papel fotográfico]
Ponto DOIS. Habilitações Académicas:2000. Licenciatura em História, variante História da Arte. Faculdade de Letras da Universidade do Porto.[um clássico, uma Faculdade pública e reconhecida. Daqueles cursos que para pouco servem para além de fazer investigação/trabalhar em Museus]2007. Mestrado em História da Arte. Classificação: Muito Bom. Instituição que conferiu o grau: Universidade do Porto. Faculdade: Faculdade de Letras. Título da tese: A retratística em Portugal e a introdução da daguerreotipia (1830-1845) [tese que versa, entre outros assuntos relacionados com a fotografia, sobre a sua introdução em Portugal. Poderia intitular-se assim: os primórdios da fotografia em Portugal: do retratista ao daguerreotipista. Interessante. Ou não. ] (em conclusão) Grau: Dou…

talha & fruta = delicious!

..., a photo by cochinilha on Flickr.
Existe em Braga uma capela que abre uma vez no ano, para celebrar o Dia de São Geraldo, padroeiro da cidade.


Junto à porta lateral da Sé, que dá para a rua do Souto, passando o Claustro de Santo Amaro, fica a capela de S. Geraldo, que neste dia se adorna de frutos, em alusão ao milagre da fruta.




( azulejos atribuídos ao pintor António de Oliveira Bernardes)

Júlia represente!

"Júlia Mendes foi uma rapariga talentosa que atravessou a scena portugueza com o brilho fugaz de um meteoro. Contam-se dela cousas espantosas, mas basta apenas uma referencia para se ver quanto era original a trefega rapariga. Uma vez, em Braga, á hora do espectáculo no Theatro S. Geraldo, Júlia Mendes entendeu que não devia representar. Interveio a policia e a actriz foi parar á presença da autoridade. De volta a Lisboa Júlia Mendes foi para logo assediada pelos repórters que desejam entrevistal-a. A um jornalista d' O Imparcial, disse ella: — O Galhardo perguntou-me aqui ha tempos se eu queria ir ao Brasil. Respondi-lhe logo: conforme “as condições”. — E quanto queres ganhar? — Um conto e oitocentos, passagens pagas e um beneficio. — Isso não ganha a Eéjane, disse o Galhardo, dou-te um conto de réis. — Não acceito, respondi. E por causa disso temos andado um pouco de candeias ás avessas. Mandou-me elle para o Porto. Fui. Ora, aconteceu que na noite em que se representava no…

dança do Rei David

Portugal da Saudade

Segundo esta cronologia a 6 de abril de 1933: inaugurou o estúdio da Tobis Portuguesa; e Joaquim dos Santos Lima produziu em Braga, e submeteu à Censura, o documentário Portugal da Saudade, inspirado pela “vinda da Rainha da Colónia Portuguesa no Brasil, Leopoldina Belo”. Meio ano depois, foi o filme aprovado pela Comissão de Censura Cinematográfica do Brasil.

Álbum de Braga

Em 1904 foi "editado pelos srs. Manoel Carneiro & Irmão, da antiga rua do Souto ... um interessante álbum de Braga, contendo 47 photogravuras dos melhores monumentos e vistas de Braga". O álbum, posto à venda por ocasião das festas jubilares do Sameiro, apresenta uma paginação curiosa: as fotografias cercadas a moldura a negro, e legendas indicativas a vermelho, são organizadas por proximidade geográfica, realçando-se detalhes importantes.


-->






Manoel Carneiro & Irmão instalaram-se na rua do Souto - que se chamou durante algum tempo rua Rodrigues de Carvalho - na casa que fora fundada por Bernardo Carneiro, em 1865. Era um estabelecimento de "vidros" e outros "pertences" para a casa, que vendia também artigos fotográficos e postais, os quais eram editados por Carneiro.




De algumas das imagens publicadas no álbum de Braga foram editados belos postais assinados por Manoel Carneiro. A fototeca do Museu Nogueira da Silva, em Braga, tem e…

sociedade de espectáculos recreativos

[O Teatro Circo de Braga e o Cinema S. Geraldo [antigo Salão Recreativo Bracarense] foram em tempos explorados pela mesma Sociedade]

récita no Salão