quarta-feira, 17 de abril de 2013

pau de sabão

mercearia Braga, março 2011




A Mercearia Braga preserva os elementos do tempo em que a farinha e o açúcar se compravam a granel, com o longo e largo balcão em madeira, as prateleiras pintadas a esmalte onde o Omo ficava bem ao lado da bolacha Maria, entre um nicho de Santo António iluminado por velas e vassouras e cebolas penduradas no tecto. 

Melhor dizendo, preservava, porque foram já desmontados os balcões e as estantes de madeira.
Vamos ter saudades da luz desta mercearia e do aroma que mistura(va) bacalhau, lixívia, queijo, amêndoas e sabão rosa.
Mas sabemos que, pelo menos os móveis, vão parar às mãos certas. O resto fica-nos na memória.

2 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

Publicação em destaque

as fontes discretas

já no distante ano de 2009, Maria do Carmo Serén publicou um artigo sobre a minha tese de mestrado, a que chamou de " as fontes discre...