Avançar para o conteúdo principal

o amor é um poema


"A Paixão É Às Vezes... O Amor É Todos Os Dias...


"Chega à estação de Santa Apolónia... na mão direita... uma página em branco e uma rosa"


O mundo é cheio de pessoas e os dias cheios de infinito
mas são ínfimas as possibilidades de nascer um mito, 
e para fazer por isso, 
podemos tentar tornar o dia do outro mais bonito. 
Ele escolheu começar 
no dia dos namorados, 
uma rosa e um recado 
confiando no acaso 
mas ela não respondia 
e algum tempo passado
na falta de um mais-que-tudo 
o compromisso foi selado com o mundo
e se no fundo o amor é quotidiano 
faz sentido que o altar seja o metropolitano 
todos os dias do ano na última carruagem 
devoto na oferenda, uma flor e uma mensagem. 
Escrevia como para ela, 
em vida paralela 
e vinha de Santa Apolónia sentado à janela
e quando trocava no Marquês para a linha amarela
já trazia uma flor a menos na lapela. 
E lá estava o seu bilhete pendurado,
no sinal de alarme,
como combinado,
para lembrar a quem passava que o amor é inesperado, 
e que, como o perigo, pode estar em todo o lado.
O destino do vagão era o coração
o amador ou a que ama era a direcção da circulação
e cada dia era cumprida com dedicação 
a rotina que fazia da sua vida uma missão.
E como retribuição ele recebeu respostas,
à caixa do correio chegaram muitas propostas,
mulheres dispostas a tudo, lisboetas ou do mundo mas que no vagão do fundo sonharam com um futuro inspiradas no romance, 
sem chance, 
ele só queria uma e essa não estava ao alcance. 
365 dias depois,
depois de 365 poemas e flores 
chegada ao fim da promessa e despedida, 
era a última tulipa, a última missiva. 
No sinal de alarme na tarde de S.Valentim, leu-se:
a paixão é o início, o amor é o fim 
e já sem nenhuma esperança que ela lhe respondesse 
tingiu de algumas lágrimas esse último bilhete, 
foi de coração cinzento que na manhã seguinte 
tudo foi surpreendente mal saiu do número 20, 
havia flores e frases espalhadas pelas ruas,
nos postes, nos semáforos, nos carros, nas gruas, 
Palavras nas paredes, pétalas por todo o lado, 
poemas e papoilas e RAP a passar na rádio. 
Ele ia embasbacado no caminho da estação
que passou a primavera com as flores no corrimão 
E até na bilheteira se davam outros bilhetes, 
de admiradores secretos do metro nos seus ''flirts'', 
ele foi descendo a escada 
e na entrada da carruagem 
penduradas no alarme 
uma flor e uma mensagem. 
Pela primeira vez ele era o destinatário
era o 15 de fevereiro o seu aniversário. 
Cheirou a rosa vermelha enquanto abria a carta, 
a paixão é uma janela o amor é uma porta 
e ao lado estava uma entreaberta, 
e no recado era conhecida a letra, 
espreitou para a cabina e era ela
no lugar do maquinista à sua espera 
E ali debaixo da terra com um beijo de cinema, disse
a paixão é uma flor, o amor é um poema
E ali debaixo da terra com um beijo de cinema, disse
a paixão é uma flor, o amor é um poema


“Já dizia o poeta... a música é o vapor da arte... o que o sonho é para o pensamento...em Lisboa, esta manhã, já partiu, na última carruagem da linha azul... mais uma flor... já partiu o amor"


: sobre o Sinal de Alerta, que terá inspirado esta música :






Comentários

Mensagens populares deste blogue

tragédia da vida vulgar

alliança amorosa #8



* adaptado de "Tragédias da Vida Vulgar", de Wenceslau Flores, 1930.

curriculum vitae

cur.rí.cu.lo

Ponto UM. Nome.CATARINA MIRANDA Basso Marques. [vulgar, nenhum apelido conhecido; Basso é giro, mas é só isso. Usei-o quando era fotógrafa em Macau, por alusão ao brilho/mate do papel fotográfico]
Ponto DOIS. Habilitações Académicas:2000. Licenciatura em História, variante História da Arte. Faculdade de Letras da Universidade do Porto.[um clássico, uma Faculdade pública e reconhecida. Daqueles cursos que para pouco servem para além de fazer investigação/trabalhar em Museus]2007. Mestrado em História da Arte. Classificação: Muito Bom. Instituição que conferiu o grau: Universidade do Porto. Faculdade: Faculdade de Letras. Título da tese: A retratística em Portugal e a introdução da daguerreotipia (1830-1845) [tese que versa, entre outros assuntos relacionados com a fotografia, sobre a sua introdução em Portugal. Poderia intitular-se assim: os primórdios da fotografia em Portugal: do retratista ao daguerreotipista. Interessante. Ou não. ] (em conclusão) Grau: Dou…

talha & fruta = delicious!

..., a photo by cochinilha on Flickr.
Existe em Braga uma capela que abre uma vez no ano, para celebrar o Dia de São Geraldo, padroeiro da cidade.


Junto à porta lateral da Sé, que dá para a rua do Souto, passando o Claustro de Santo Amaro, fica a capela de S. Geraldo, que neste dia se adorna de frutos, em alusão ao milagre da fruta.




( azulejos atribuídos ao pintor António de Oliveira Bernardes)

Júlia represente!

"Júlia Mendes foi uma rapariga talentosa que atravessou a scena portugueza com o brilho fugaz de um meteoro. Contam-se dela cousas espantosas, mas basta apenas uma referencia para se ver quanto era original a trefega rapariga. Uma vez, em Braga, á hora do espectáculo no Theatro S. Geraldo, Júlia Mendes entendeu que não devia representar. Interveio a policia e a actriz foi parar á presença da autoridade. De volta a Lisboa Júlia Mendes foi para logo assediada pelos repórters que desejam entrevistal-a. A um jornalista d' O Imparcial, disse ella: — O Galhardo perguntou-me aqui ha tempos se eu queria ir ao Brasil. Respondi-lhe logo: conforme “as condições”. — E quanto queres ganhar? — Um conto e oitocentos, passagens pagas e um beneficio. — Isso não ganha a Eéjane, disse o Galhardo, dou-te um conto de réis. — Não acceito, respondi. E por causa disso temos andado um pouco de candeias ás avessas. Mandou-me elle para o Porto. Fui. Ora, aconteceu que na noite em que se representava no…

dança do Rei David

Portugal da Saudade

Segundo esta cronologia a 6 de abril de 1933: inaugurou o estúdio da Tobis Portuguesa; e Joaquim dos Santos Lima produziu em Braga, e submeteu à Censura, o documentário Portugal da Saudade, inspirado pela “vinda da Rainha da Colónia Portuguesa no Brasil, Leopoldina Belo”. Meio ano depois, foi o filme aprovado pela Comissão de Censura Cinematográfica do Brasil.

Álbum de Braga

Em 1904 foi "editado pelos srs. Manoel Carneiro & Irmão, da antiga rua do Souto ... um interessante álbum de Braga, contendo 47 photogravuras dos melhores monumentos e vistas de Braga". O álbum, posto à venda por ocasião das festas jubilares do Sameiro, apresenta uma paginação curiosa: as fotografias cercadas a moldura a negro, e legendas indicativas a vermelho, são organizadas por proximidade geográfica, realçando-se detalhes importantes.


-->






Manoel Carneiro & Irmão instalaram-se na rua do Souto - que se chamou durante algum tempo rua Rodrigues de Carvalho - na casa que fora fundada por Bernardo Carneiro, em 1865. Era um estabelecimento de "vidros" e outros "pertences" para a casa, que vendia também artigos fotográficos e postais, os quais eram editados por Carneiro.




De algumas das imagens publicadas no álbum de Braga foram editados belos postais assinados por Manoel Carneiro. A fototeca do Museu Nogueira da Silva, em Braga, tem e…

sociedade de espectáculos recreativos

[O Teatro Circo de Braga e o Cinema S. Geraldo [antigo Salão Recreativo Bracarense] foram em tempos explorados pela mesma Sociedade]

récita no Salão