Avançar para o conteúdo principal

documentar o imaginário



Mesa 1:
CRIAR, PROGRAMAR, DOCUMENTAR O IMAGINÁRIO
11h00-13h00

Tanto ao nível da criação de obras de arte, como da curadoria ou do pensamento artístico, o panorama português tem sido intensamente vibrante. Este painel olhará o tema do Fórum a partir dos lugares de origem dos seus participantes: a criação, a programação ou o pensamento sobre as imagens em movimento e a sua capacidade para reinventar a realidade, criando imaginários.

André Príncipe
João Ribas
Catarina Mourão
António Pinto Ribeiro
Moderação: Daniel Ribas

.

Mesa 2:
A REINVENÇÃO DO DOCUMENTÁRIO CONTEMPORÂNEO
14h30-16h30

O Porto/Post/Doc colocou-se, através da sua programação, no mapa de um circuito de festivais internacionais que partilham uma programação de risco dedicada ao documentário. Os presentes neste painel são programadores experientes dos festivais mais importantes da Europa. Será, certamente, uma discussão dedicada às tendências mais criativas na zona do documentário.

Jean-Pierre Rehm
Dennis Lim
Jean-François Rettig
Paolo Moretti
Moderação: Victor Paz Morandeira

.

Mesa 3:
GALIZA E PORTUGAL: UM IMAGINÁRIO COMUM
17h00-19h00

As relações fronteiriças entre Galiza e o Norte de Portugal são uma aposta de futuro, cujos resultados têm sido vistos nos últimos anos. O debate proporcionará uma história desta relação, mas também uma ideia do que é ainda possível fazer. O carácter diversificado do painel permitirá um olhar múltiplo sobre esta realidade e sobre as condições que ela proporciona ao cinema português e ao cinema galego.

Beli Martinez
Nuno Rodrigues
Manolo González
Lois Patiño
Moderação: Martin Pawley

.

O Fórum do Real é realizado em parceria com o Citar (Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes), Escola das Artes, Católica.Porto (Projeto de Investigação “Narrativa e Criação Audiovisual”), no âmbito do “Ano do Cinema e Audiovisual Português”, do Instituto de Cinema e Audiovisual.


PROGRAMA, AQUI.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

tragédia da vida vulgar

alliança amorosa #8



* adaptado de "Tragédias da Vida Vulgar", de Wenceslau Flores, 1930.

curriculum vitae

cur.rí.cu.lo

Ponto UM. Nome.CATARINA MIRANDA Basso Marques. [vulgar, nenhum apelido conhecido; Basso é giro, mas é só isso. Usei-o quando era fotógrafa em Macau, por alusão ao brilho/mate do papel fotográfico]
Ponto DOIS. Habilitações Académicas:2000. Licenciatura em História, variante História da Arte. Faculdade de Letras da Universidade do Porto.[um clássico, uma Faculdade pública e reconhecida. Daqueles cursos que para pouco servem para além de fazer investigação/trabalhar em Museus]2007. Mestrado em História da Arte. Classificação: Muito Bom. Instituição que conferiu o grau: Universidade do Porto. Faculdade: Faculdade de Letras. Título da tese: A retratística em Portugal e a introdução da daguerreotipia (1830-1845) [tese que versa, entre outros assuntos relacionados com a fotografia, sobre a sua introdução em Portugal. Poderia intitular-se assim: os primórdios da fotografia em Portugal: do retratista ao daguerreotipista. Interessante. Ou não. ] (em conclusão) Grau: Dou…

talha & fruta = delicious!

..., a photo by cochinilha on Flickr.
Existe em Braga uma capela que abre uma vez no ano, para celebrar o Dia de São Geraldo, padroeiro da cidade.


Junto à porta lateral da Sé, que dá para a rua do Souto, passando o Claustro de Santo Amaro, fica a capela de S. Geraldo, que neste dia se adorna de frutos, em alusão ao milagre da fruta.




( azulejos atribuídos ao pintor António de Oliveira Bernardes)

Júlia represente!

"Júlia Mendes foi uma rapariga talentosa que atravessou a scena portugueza com o brilho fugaz de um meteoro. Contam-se dela cousas espantosas, mas basta apenas uma referencia para se ver quanto era original a trefega rapariga. Uma vez, em Braga, á hora do espectáculo no Theatro S. Geraldo, Júlia Mendes entendeu que não devia representar. Interveio a policia e a actriz foi parar á presença da autoridade. De volta a Lisboa Júlia Mendes foi para logo assediada pelos repórters que desejam entrevistal-a. A um jornalista d' O Imparcial, disse ella: — O Galhardo perguntou-me aqui ha tempos se eu queria ir ao Brasil. Respondi-lhe logo: conforme “as condições”. — E quanto queres ganhar? — Um conto e oitocentos, passagens pagas e um beneficio. — Isso não ganha a Eéjane, disse o Galhardo, dou-te um conto de réis. — Não acceito, respondi. E por causa disso temos andado um pouco de candeias ás avessas. Mandou-me elle para o Porto. Fui. Ora, aconteceu que na noite em que se representava no…

dança do Rei David

Portugal da Saudade

Segundo esta cronologia a 6 de abril de 1933: inaugurou o estúdio da Tobis Portuguesa; e Joaquim dos Santos Lima produziu em Braga, e submeteu à Censura, o documentário Portugal da Saudade, inspirado pela “vinda da Rainha da Colónia Portuguesa no Brasil, Leopoldina Belo”. Meio ano depois, foi o filme aprovado pela Comissão de Censura Cinematográfica do Brasil.

sociedade de espectáculos recreativos

[O Teatro Circo de Braga e o Cinema S. Geraldo [antigo Salão Recreativo Bracarense] foram em tempos explorados pela mesma Sociedade]

Álbum de Braga

Em 1904 foi "editado pelos srs. Manoel Carneiro & Irmão, da antiga rua do Souto ... um interessante álbum de Braga, contendo 47 photogravuras dos melhores monumentos e vistas de Braga". O álbum, posto à venda por ocasião das festas jubilares do Sameiro, apresenta uma paginação curiosa: as fotografias cercadas a moldura a negro, e legendas indicativas a vermelho, são organizadas por proximidade geográfica, realçando-se detalhes importantes.


-->






Manoel Carneiro & Irmão instalaram-se na rua do Souto - que se chamou durante algum tempo rua Rodrigues de Carvalho - na casa que fora fundada por Bernardo Carneiro, em 1865. Era um estabelecimento de "vidros" e outros "pertences" para a casa, que vendia também artigos fotográficos e postais, os quais eram editados por Carneiro.




De algumas das imagens publicadas no álbum de Braga foram editados belos postais assinados por Manoel Carneiro. A fototeca do Museu Nogueira da Silva, em Braga, tem e…

récita no Salão

Start up from macOS Recovery

I ran First Aid and got "First Aid found corruption that needs to be repaired. To repair the startup volume, run First Aid from Recovery."  

How can I do it?

1. hold down Command (⌘) + R immediately after turning on or restarting your Mac. Release when you see the Apple logo.

2. you will then see this box




3. choose DISK UTILITY and then FIRST AID.

4. restart & you are done!

note:
If you can't start up from macOS Recovery, try holding down Option-Command-R to start up from macOS Internet Recovery [need internet connection for this option]