Avançar para o conteúdo principal

Your Highness The PhotoBook


Os livros fotográficos são quase tão antigos como a própria fotografia. Henry Fox Talbot, um dos inventores, foi também o autor de um dos primeiros livros a incluir fotografias, The Pencil of Nature (1844), a par de  Anna Atkins
E se hoje é na página impressa que conhecemos o trabalho dos fotógrafos, tem sido reduzida a importância dada ao livro de fotografia. Contudo, desde há uns anos para cá, aumentou o interesse pelos livros de fotografia, livros com fotografias, livros fotográficos – ou no que se tornou cada vez mais, e reverentemente conhecido, como fotolivro. Confesso que não gosto da palavra e que ainda hei-de conseguir uma melhor tradução para português de PhotoBook, short for Photography Book. 

Hoje, em 2016, acontece o 8.º Festival Fotobook, consagrado aos melhores livros impressos. 
Em 2014 foi criado o PhotoBookMuseum, projecto que presta homenagem a esta "forma central de expressão na fotografia". Aqui fica um excerto do conteúdo produzido para o explicar:

A paradigm shift in photography
Since the turn of the millennium, the photobook has rapidly become the central form of expression in photography. Thanks to digital technology, more photobooks have likely been published in the past ten years than in the previous 170. 
... A new generation of photographers, curators, historians, collectors and publishers see the photobook as a type of visual Esperanto...
A photography festival without a section on photobooks has become inconceivable. 
... Although photographic collections have for decades been an integral part of museum holdings, there is to date no museum dedicated exclusively to the photobook. The PhotoBookMuseum will change this.
A museum for the 21st century
The mission of the museum will be to promote the photobook as an independent artistic medium. The PhotoBookMuseum is intended to be a vibrant public space that educates a broad audience about the form, content and function of photobooks. Its motto could be this: away with showcases...
The photobook as a mobile exhibition
Photobooks can be complex things. They are more than just books of pictures. They make an artistic statement.... Once a photobook has been printed, its composition cannot be changed. An exhibition, on the other hand, can be modified any number of times: after the opening, for example, or when it is moved to a different site. Curators value this flexibility. Artists often don’t. For them, the photobook is a guarantee that their artistic statement will remain unchanged, wherever and whenever their book is read. In addition, it is simpler and less expensive by far for a compact photobook to travel than it is for a complete exhibition. Seen in this manner, the photobook is itself a mobile exhibition. 


Em Novembro de 2015 o Museu editou o seu primeiro Livro: 
Yaakov Israel. Legitimacy of Landscape. The PhotoBookMuseum.




outros photobooks links

Comentários

Mensagens populares deste blogue

tragédia da vida vulgar

alliança amorosa #8



* adaptado de "Tragédias da Vida Vulgar", de Wenceslau Flores, 1930.

curriculum vitae

cur.rí.cu.lo

Ponto UM. Nome.CATARINA MIRANDA Basso Marques. [vulgar, nenhum apelido conhecido; Basso é giro, mas é só isso. Usei-o quando era fotógrafa em Macau, por alusão ao brilho/mate do papel fotográfico]
Ponto DOIS. Habilitações Académicas:2000. Licenciatura em História, variante História da Arte. Faculdade de Letras da Universidade do Porto.[um clássico, uma Faculdade pública e reconhecida. Daqueles cursos que para pouco servem para além de fazer investigação/trabalhar em Museus]2007. Mestrado em História da Arte. Classificação: Muito Bom. Instituição que conferiu o grau: Universidade do Porto. Faculdade: Faculdade de Letras. Título da tese: A retratística em Portugal e a introdução da daguerreotipia (1830-1845) [tese que versa, entre outros assuntos relacionados com a fotografia, sobre a sua introdução em Portugal. Poderia intitular-se assim: os primórdios da fotografia em Portugal: do retratista ao daguerreotipista. Interessante. Ou não. ] (em conclusão) Grau: Dou…

talha & fruta = delicious!

..., a photo by cochinilha on Flickr.
Existe em Braga uma capela que abre uma vez no ano, para celebrar o Dia de São Geraldo, padroeiro da cidade.


Junto à porta lateral da Sé, que dá para a rua do Souto, passando o Claustro de Santo Amaro, fica a capela de S. Geraldo, que neste dia se adorna de frutos, em alusão ao milagre da fruta.




( azulejos atribuídos ao pintor António de Oliveira Bernardes)

Júlia represente!

"Júlia Mendes foi uma rapariga talentosa que atravessou a scena portugueza com o brilho fugaz de um meteoro. Contam-se dela cousas espantosas, mas basta apenas uma referencia para se ver quanto era original a trefega rapariga. Uma vez, em Braga, á hora do espectáculo no Theatro S. Geraldo, Júlia Mendes entendeu que não devia representar. Interveio a policia e a actriz foi parar á presença da autoridade. De volta a Lisboa Júlia Mendes foi para logo assediada pelos repórters que desejam entrevistal-a. A um jornalista d' O Imparcial, disse ella: — O Galhardo perguntou-me aqui ha tempos se eu queria ir ao Brasil. Respondi-lhe logo: conforme “as condições”. — E quanto queres ganhar? — Um conto e oitocentos, passagens pagas e um beneficio. — Isso não ganha a Eéjane, disse o Galhardo, dou-te um conto de réis. — Não acceito, respondi. E por causa disso temos andado um pouco de candeias ás avessas. Mandou-me elle para o Porto. Fui. Ora, aconteceu que na noite em que se representava no…

dança do Rei David

Portugal da Saudade

Segundo esta cronologia a 6 de abril de 1933: inaugurou o estúdio da Tobis Portuguesa; e Joaquim dos Santos Lima produziu em Braga, e submeteu à Censura, o documentário Portugal da Saudade, inspirado pela “vinda da Rainha da Colónia Portuguesa no Brasil, Leopoldina Belo”. Meio ano depois, foi o filme aprovado pela Comissão de Censura Cinematográfica do Brasil.

Álbum de Braga

Em 1904 foi "editado pelos srs. Manoel Carneiro & Irmão, da antiga rua do Souto ... um interessante álbum de Braga, contendo 47 photogravuras dos melhores monumentos e vistas de Braga". O álbum, posto à venda por ocasião das festas jubilares do Sameiro, apresenta uma paginação curiosa: as fotografias cercadas a moldura a negro, e legendas indicativas a vermelho, são organizadas por proximidade geográfica, realçando-se detalhes importantes.


-->






Manoel Carneiro & Irmão instalaram-se na rua do Souto - que se chamou durante algum tempo rua Rodrigues de Carvalho - na casa que fora fundada por Bernardo Carneiro, em 1865. Era um estabelecimento de "vidros" e outros "pertences" para a casa, que vendia também artigos fotográficos e postais, os quais eram editados por Carneiro.




De algumas das imagens publicadas no álbum de Braga foram editados belos postais assinados por Manoel Carneiro. A fototeca do Museu Nogueira da Silva, em Braga, tem e…

sociedade de espectáculos recreativos

[O Teatro Circo de Braga e o Cinema S. Geraldo [antigo Salão Recreativo Bracarense] foram em tempos explorados pela mesma Sociedade]

récita no Salão